Será que a tecnologia está sendo usada para produzir boas músicas de forma correta?

Tempo de leitura: 5 minutos
Olá galera!

Espero que estejam todos muito bem!

Estava vendo aqui o que poderia trazer para vocês de útil.

Pensei um pouquinho e resolvi escrever algo menos técnico, mas que ao mesmo tempo tem relação com o tema proposto neste espaço:
Será que a tecnologia, com toda a sua evolução, continua a ser usada de forma eficiente para produzir boas músicas atualmente?
E o que será que se espera para o futuro com relação a isso?

Lembro perfeitamente quando estava na época de minha infância escutando as músicas daquele tempo que meu pai tinha colecionado quando atuava como discotecário.

Eram vários da década de 90, 80, e até 70 e 60 (bem antes do meu nascimento), que não teria sequer conhecido se não fosse por isso.
Esse fato é importante porque muitas pessoas já comentaram comigo que, por ter nascido em 91, eu não teria propriedade para falar sobre artistas e bandas de décadas anteriores.
Posso citar aqui vários exemplos, como Elvis Presley (54 a 77), The beatles (60), Abba (72), Simon & Garfunkel e por aí vai.
Por ter escutado coisas que hoje são raridade, acabei adquirindo gosto por diversos estilos musicais e ao mesmo tempo posso dizer que fui acompanhando os progressos (ou regressos, como queira) da música.

Algumas pessoas acham que foi na década de 90 que a música decaiu, apesar de coisas boas que surgia ainda que poucas, o que é realmente verdade.

Contudo, acredito que a sonoridade alcançada pelos músicos e produtores numa época em que não existia o que existe hoje era realmente impressionante e, pelo menos pra mim, supera de certa forma a qualidade sonora das músicas da atualidade.
Isso explica muito bem porque quando a moda foi “Ai, se eu te pego” ou, pior ainda “If I catch you”, uma criança já sabia cantar mau tendo nascido a este mundo.
É um reflexo da educação precária e da pobreza cultural de um povo, principalmente brasileiro.

A década de 90 pra cima é uma representação do que iria mudar na indústria fonográfica.

As músicas passaram a ter o que a gente chama hoje de Loudness Warm.
Mas que diabos é isso?
Calma, vou explicar… ?

Loudness Warm foi um termo pejorativo que encontraram para classificar a "guerra do volume".

Você tem ideia do que é isso?
Bem…. Deixa eu te ajudar a entender:

Imagine que quando você está ouvindo uma música nos seus fones de ouvido ou caixas de som, você esteja diante de um palco sonoro, supostamente num show.

O produtor tem a liberdade de pôr à disposição os instrumentos da maneira como ele achar melhor. Por exemplo, colocando a guitarra um pouco pra direita, um piano no meio com um reverb para dar sensação de distância e ambiente, outra guitarra deslocada um pouco pra esquerda e assim por diante.
Isso inclui também uso de equalizadores, para cortar frequências que geram conflitos com outras similares de outros instrumentos.

O que acontece é que, da época de 94 pra cima, começaram a ser exploradas outras possibilidades na produção, mixagem e masterização.

Efeitos como compressores e limitadores começaram a ser usados em grande escala e passaram a atuar como efeitos colaterais e as produções foram perdendo a dinâmica dos instrumentos, apesar de ter servido como uma evolução para a música eletrônica.
A partir do uso excessivo desses efeitos é que acontece a guerra do volume, onde os sons dos instrumentos acabam se guerreando e todo mundo quer soar mais que os outros.

Podemos perceber isso comparando o volume das gravações mais antigas com as atuais.
É como o rádio da sua vó competindo com o carro de som do seu vizinho chato que só quer chamar atenção. ?
Coitado das crianças que precisam aguentar isso! ?

Hoje, das bandas que surgem, os músicos não conseguem identificar a dinâmica correta dos seus instrumentos em conjunto quando a mesma se faz necessária.

As pessoas não percebem esse fenômeno acontecendo, principalmente em volumes extremamente altos, em MP3’s, iPods e outros reprodutores de música. Cada vez mais nos encaminhamos para um cenário em que vamos ter músicas tão altas quanto a capacidade de volume desses players, e todos (principalmente jovens) irão perder audição já cedo.
Malditos produtores!

Penso que estamos presenciando uma situação em que se espera que a tecnologia faça pelo músico e não que o músico faça com a tecnologia.

Por quê?
Bem, acho que os instrumentos por si só já são um exemplo claro de como o ser humano conseguiu se reinventar.

O homem sempre procurou desenvolver ferramentas com o que podia para tentar chegar a uma sonoridade a mais perfeita possível.

Instrumentos de cravo por exemplo, com o som que tinham, hoje certamente não se ouvem mais.
No entanto, obras maravilhosas que foram executadas usando esse instrumento parecem alcançar um resultado tão bom que isso não era realmente o limite da criatividade.
A mesma coisa aconteceu mais tarde com os outros instrumentos.

O piano por exemplo, teve que passar por aprimoramentos para ter a sonoridade que tem hoje.

Mesmo assim, os músicos o utilizavam para compor peças brilhantes.
Reconheciam a limitação imposta desse e outros instrumentos, mas sempre tentavam aproveitar o máximo potencial que estava nas mãos deles.

A evolução dos instrumentos com certeza é parte do  desenvolvimento da tecnologia de hoje, que resulta numa expansão e ampliação de todas as áreas do conhecimento humano.

Mesmo assim, a música em geral empobreceu muito de qualidade….
Comparando os sucessos de antigamente com os hits do momento, parece existir um novo conceito por trás da criação musical, do tipo “posso fazer muito com pouco e tentar conseguir o sucesso que eu desejo”.

As gravadoras pressionam os artistas para comporem coisas nada criativas e a música vira lixo (produto comercial facilmente descartável).

Será que estamos ainda fazendo música de corpo e alma?
É possível que a nova geração não tenha o mínimo de curiosidade de ouvir músicas que marcaram época e que estão até hoje na memória dos mais saudosistas? ?

Pra mim música não depende só do que eu tenho a disposição. Se a música não partir de mim, isso não vai significar absolutamente nada!

Quando não posso estar na frente do instrumento, uso o meu próprio corpo pra fazer música enquanto, por exemplo, fico esperando alguém chegar pra me buscar, ou estou em um outro lugar qualquer que só esteja meu corpo ali parado.

Não sei como, mas me empolgo só pelo simples fato de bater no tênis e no peito para criar ali mesmo uma bateria corporal… Estou fazendo música!
Imagina se agora os músicos de antigamente usassem o que existe hoje?
Com certeza a música seria bem diferente.
Mas para as mentes ignorantes, Basta poucas letras, poucos acordes, poucas notas… Uma simples batida só pra dar um charme…. pronto!
Tá feito a música do povão!

Não estou querendo dizer com isso que a música deve ser complexa. Muitas músicas possuem a sua simplicidade, transmitem sentimentos e possuem o seu valor. Mas a criatividade é a peça fundamental para uma boa composição.

Mesmo assim, acredite…. Se a situação atual da música está desse jeito…. São culpa das pessoas que estão vendo a criatividade andando solta por aí em algum lugar.
Pior ainda é quem aprecia. Isso não ajuda em nada.

A grande mídia vai empurrando goela abaixo e as pessoas além de acostumadas simplesmente já não se importam.

Toca nos bailes, nas festas, nos players…. E todo mundo ouve porque é a modinha do momento.

E você, o que pensa sobre isso?

E o que nos espera para o futuro?
Será que a tecnologia não está se tornando prejudicial para quem está usando dessa forma?
Você quer mesmo que o artista desapareça e seja substituído por inteligência artificial capaz de fazer música sozinho?

Bom, temos que esperar para ver.

Mas, do meu ponto de vista esta é a triste realidade que estamos vivenciando na música.

Não podemos fazer algo com o mínimo de esforço possível.

Dedicar-se a música por exemplo não é tão simples quanto parece, ao mesmo tempo que não é impossível e assim tão difícil.
Depende da pessoa!..
Assim também é para fazer música. Não depende do que você vai usar pra fazer. Depende só de você.

Assim sendo, finalizo este texto, que ficou grande, por sinal... ?

Parabéns quem teve a paciência de ler até aqui.
Comecei a escrever sem ideia do que ia dizer e começaram a vir muita coisa.
Mas, enfim, comentem, divulguem, aproveitem, reflitam.
Grande abraço!

. Nenhum comentário em Será que a tecnologia está sendo usada para produzir boas músicas de forma correta?. Categoria: música e tecnologia. Palavras chave: , , , , , , , , , , , , , , , , .

Sobre mim

Sou tecladista, pianista e graduado como produtor fonográfico pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), além de qualificado profissional em composição e arramjo e técnico em instrumento musical pela faculdades EST de São Leopoldo.

Seja o primeiro

Seu feedback é muito importante. Deixe um comentário!